Seja bem-vindo(a) ao meu Blog. Sou Mário Jorge Lima, e abaixo estão textos meus, apresentados como sermões, palestras, ou simplesmente frutos de minhas reflexões pessoais.

Sou pai dessas 5 moças ao lado, Mariana, Isabela, Júlia, Laura e Luíza, a quem amo mais que a mim mesmo. Quando escrevo sobre assuntos espirituais, quando apresento palestras ou sermões, é primeiramente para elas e pensando nelas que estou escrevendo e falando.

Esses textos, atualizados sempre que eu os crio, e para isso não tenho uma periodicidade definida, são o legado escrito que deixarei a elas, sem erudição, sem proselitismo, sem "filosofismos". São as coisas em que de fato creio e pelas quais hoje vivo. Se Deus me der o tempo e a chance necessários, ainda pretendo escrever um livro com estas reflexões. Se não conseguir, elas estarão pra sempre aqui nesse Blog.

OBS: As palestras são organizadas com as mais recentes sempre no Topo.

Postado em: sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Reflexões sobre a Graça - 41 - PRA QUE NÃO RESTEM DÚVIDAS!

PRA QUE NÃO RESTEM DÚVIDAS
18/08/2017

O homem em seu estado natural, vivendo no mundo sem Deus, não tem a menor capacidade de ir a Cristo, de buscar a Deus por seus próprios impulsos e conscientização, de querer o que é bom. Segundo a Bíblia, a fé, o querer (vontade), o fazer (obras), o conhecimento e até mesmo o arrependimento e o abrir da porta do coração, são obras da graça de Deus atuando no pecador, atraindo-o, motivando-o, constrangendo-o pelo amor.

Nesse estágio, o que é que Deus faz? TUDO! O que o homem faz? NADA! Qualquer participação humana, qualquer trabalho cooperativo com Deus, ocorre mais tarde, quando, após ser justificado, ele está sendo santificado, também pela graça. E não como ação do pecador, mas como reação dele ao grande amor de Deus. Não para obter ou comprar a salvação, mas, para vivê-la, demonstrá-la em serviço de amor, e confirmá-la dia-a-dia num processo que envolve relacionamento e santificação. Não como obras da lei (segundo Paulo), mas, como obras da fé (segundo Tiago).

E para que não restem dúvidas, um texto esclarecedor:

"Muitos se acham confundidos quanto ao que constitui os primeiros passos na obra da salvação. O arrependimento é considerado uma obra que o pecador deve realizar por si mesmo, a fim de poder chegar a Cristo. Pensam que o pecador deve por si mesmo conseguir a habilitação para obter a bênção da graça de Deus. Mas, conquanto seja verdade que o arrependimento deve preceder o perdão, pois é unicamente o coração quebrantado e contrito que é aceitável a Deus, o pecador não pode produzir em si o arrependimento, ou preparar-se para ir a Cristo. A menos que o pecador se arrependa, não pode ele ser perdoado; mas a questão que deve ser resolvida é quanto a ser o arrependimento obra do pecador ou dom de Cristo. ...

O pecador é comparado a uma ovelha perdida, e uma ovelha perdida jamais volta ao redil a menos que seja pelo pastor procurada e restituída ao redil. Homem algum pode de si mesmo arrepender-se, tornando-se digno da bênção da justificação. ...

O arrependimento - não menos que o perdão e a justificação - é dom de Deus, e não pode ser experimentado a não ser que seja concedido à pessoa por Cristo. Se somos atraídos a Cristo, é por Seu poder e virtude." EGW - RR, Pg.21/22.

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 18/Agosto/2017.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 18/Agosto/2017.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.