Seja bem-vindo(a) ao meu Blog. Sou Mário Jorge Lima, e abaixo estão textos meus, apresentados como sermões, palestras, ou simplesmente frutos de minhas reflexões pessoais.

Sou pai dessas 5 moças ao lado, Mariana, Isabela, Júlia, Laura e Luíza, a quem amo mais que a mim mesmo. Quando escrevo sobre assuntos espirituais, quando apresento palestras ou sermões, é primeiramente para elas e pensando nelas que estou escrevendo e falando.

Esses textos, atualizados sempre que eu os crio, e para isso não tenho uma periodicidade definida, são o legado escrito que deixarei a elas, sem erudição, sem proselitismo, sem "filosofismos". São as coisas em que de fato creio e pelas quais hoje vivo. Se Deus me der o tempo e a chance necessários, ainda pretendo escrever um livro com estas reflexões. Se não conseguir, elas estarão pra sempre aqui nesse Blog.

OBS: As palestras são organizadas com as mais recentes sempre no Topo.

Postado em: quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Pérolas Esparsas - 19 - RÉSISTER...

RÉSISTER...
31/12/2015

Sei que no dia de hoje e nessa virada para o novo ano, dificilmente alguém irá se deter e ler alguma coisa ou fazer qualquer reflexão mais demorada. Mas, arriscando-me a não ser lido, quero deixar um último texto, até porque, em 2016 deverei escrever meu livro (aliás, já estou fazendo isso), e não terei muitas incursões aqui, colocando textos novos.

Ao tentar vislumbrar o cenário à nossa frente, sentimos que vamos precisar de altas doses de algumas coisas, como: vontade (do tipo boa-vontade), tolerância, disposição para trabalhar e produzir, discernimento, inteligência (especialmente a dos tipos emocional e espiritual), esperança (a que vem do verbo esperançar, pois essa é proativa), firmeza, coragem e confiança em Deus (ou, pra quem não acredita nEle, força interior).

Quanto ao oposto, o que precisamos vencer, fica por conta de cada um avaliar e refletir, mas, não deixe de fazê-lo. Tenho certeza de que você tem ideias a respeito daquilo que precisa diminuir, minimizar, deixar, e não sou eu quem vai lhe dizer. Teremos todos que superar ou em muitos casos, conviver com dificuldades variadas, físicas, emocionais, profissionais, espirituais. Precisaremos de ajuda, claro, de todo tipo, desde a profissional e a de amigos, até a maior de todas, ajuda divina. Essa, felizmente, já está garantida.

Os tempos à frente se afiguram muito difíceis, dizem até que sentiremos saudades de 2015. Embora ouçamos isso todo início de ano, sabemos mesmo que não será fácil. A podridão e a corrupção, da pessoal à coletiva, com destaque à política, aumentam a olhos vistos. Sentimos náuseas. E sabemos que corrupção não tem partido. Nossos homens públicos, nossas instituições, tudo está desabando e a amoralidade está dentro das nossas casas, nas ruas, na escola, no trabalho, na igreja.

Além disso há um enorme menu de infelicidades que toma conta do mundo, do desemprego à fome, da violência à guerra, das doenças ao terrorismo, do preconceito às drogas. Se fosse alinhar, não caberia num pequeno texto.

Pensando em tudo isso, veio-me à mente uma história, cujos detalhes não vou lembrar, que ouvi quando menino, sobre um desses episódios da II Guerra Mundial. O nazismo parecia que realmente dominaria a Europa e, em seguida, o mundo. Áreas de extermínio e campos de concentração havia espalhados por diversos países, na Polônia, Alemanha, Itália, Bélgica, Áustria, Croácia, Lituânia, e muitos outros. Prisioneiros de guerra viravam buchas de canhão, combustível de fornos crematórios em toda a Europa e cobaias de experimentos cruéis e desumanos.

Até que veio a vitória aliada e o fim das operações de guerra, e não vou entrar no contexto político e militar, extremamente complexo e até hoje não compreendido. Na França, um dos países em que o povo muito sofreu, começou o desmantelamento das prisões de guerra e campos de concentração. Num deles, pequeno, mas, que gerou morte de mais de 40.000 pessoas, quando os soldados entraram e começaram a abrir e esvaziar as celas, chegaram em uma em que não havia mais sobreviventes, apenas corpos em decomposição, ossos e trapos sujos.

Ao olharem a imundície e terror daquele local, em uma das paredes, puderam identificar, escrita com sangue, em letras irregulares e toscas, várias vezes, a palavra francesa: RÉSISTER. Significa RESISTIR. Era o sentimento que as pessoas que ali viveram seus últimos dias tinham no coração e na mente até o dia em que morreram.

A Bíblia nos aconselha, em Efésios 6:13:

“Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. ”.

Isso vale para qualquer área da nossa vida, não só a espiritual. Portanto, em 2016, não importa o que aconteça, nossa determinação deve ser essa.

RÉSISTER... RÉSISTER... RÉSISTER...

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 31/Dezembro/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 31/Dezembro/2015.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Reflexões Sobre a Graça - 27 - NATAL, GRAÇA E SALVAÇÃO

NATAL, GRAÇA E SALVAÇÃO

24/12/2015

O episódio da anunciação me toca ainda mais até do que o do próprio nascimento de Jesus. Já falei sobre isso aqui, e vez por outra volto a esse assunto, porque me emociona. Aquele diálogo de Maria com o anjo que lhe anunciou a gestação, em seu corpo, do Filho de Deus encarnado em natureza humana, um processo que não temos a menor condição de compreender, contém toda a doutrina da Graça, toda a ciência da Salvação.

Primeiramente, destaque-se a doçura, o carinho com que o arcanjo Gabriel tratou Maria, uma humilde representante do sexo feminino, naquela sociedade patriarcal e machista. Dá pra sentir isso no curto texto bíblico: "E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Alegra-te, bem aventurada! O Senhor é contigo." Luc. 1:28. E quando ele percebeu a agitação dela e como ficou perturbada, ainda acalmou-a: "... Mas o anjo lhe disse: Maria, não temas." Luc. 1:30.

Ali também notamos a Graça brotando nas palavras do anjo: “Maria, não temas, porque alcançaste graça diante de Deus.” Luc. 1:30. E podemos entender, não somente Maria, mas, toda a humanidade estava sendo coberta pela Graça abundante e salvadora que emanava daquela cena fantástica e incompreensível para nossas mentes degeneradas por milênios de pecado. (Tito 2:11).

Mas, há mais emoções e ciência salvífica naquela cena:

“Então, disse Maria ao anjo: Como será isto, pois não tenho relação com homem algum? Respondeu-lhe o anjo: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; ... Então, disse Maria: Aqui está a serva do Senhor; que se cumpra em mim conforme a tua palavra.” Luc. 1:34,35,38.

Fórmula divina do processo de Salvação. Evidencia a ação de Deus e a reação do ser humano, não o contrário. Querem ver?

AÇÃO DE DEUS: "Vou cobrir você com a Minha sombra, com o Meu poder, com o Meu Espírito, vou justificar você, em seguida vou transformar e santificar você, e no futuro quero glorificar você, para que possa viver comigo para todo o sempre. E isso é de graça. Totalmente de graça." Ação completa e mérito total da parte de Deus, o grande provedor da Graça e da Salvação.

REAÇÃO DO SER HUMANO: "Aqui está o Teu servo. Que se cumpra em mim conforme a Tua palavra! Eu creio nisso, Senhor! E eu quero isso!" Eia aí, a reação esperada e consequente, totalmente sem mérito, do ser humano, o desfavorecido e indigno usuário da Graça e da Salvação.

Não é preciso nem desenhar, está claríssimo, definitivamente simples. E que ninguém fique preso às alegações sobre datas erradas e símbolos pagãos. Em qualquer data ou época do ano e da vida, os verdadeiros símbolos do Natal são: essa submissão “mariana” ao propósito de Deus e a aceitação de Sua Graça soberana. Maria, provavelmente entendeu muito pouco do que lhe acontecia, mas, guardou aquilo em seu coração e se curvou ao propósito maior, que ela sabia que existia por trás de tudo. Isso chama-se fé, aliás mais do que fé, chama-se confiança plena.

Portanto, comemore o Natal sim, sem constrangimentos. Não quer fazer uso do que considera paganismo? Não faça. Aliás, saiba, então, que você teria que deixar também centenas de outras coisas e atitudes corriqueiras do seu dia-a-dia em função disso. Mas, não vou discutir isso aqui, não use e pronto. Mas, aproveite o clima de bem-querer e tolerância que parece existir em quase todos os lugares e pessoas nessa época, e fale de Cristo Jesus. Tenha a consciência daquilo que o verdadeiro Natal celebra, e eu sei que você cristão salvo pela Graça sabe o real significado. Mesmo em meio a comemorações e presentes, você tem, sim, a exata consciência do que a vida, morte e ressurreição do Filho de Deus representam. E depois, caso prefira, comemore o Natal também em Abril, em Maio, em Outubro, quando você quiser, em todos os dias e até o fim da sua vida. Sinta a alegria e certeza da salvação que vêm única e totalmente pelos méritos de Cristo Jesus que lhe foram transferidos quando você creu, que lhe são comunicados na sua caminhada e relacionamento com Deus e que serão incorporados em você para sempre, quando Ele voltar. FELIZ NATAL!

São Paulo, 24/Dezembro/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 24/Dez/2015.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Pérolas Esparsas - 18 - FALA ALGUMA COISA QUE SE APROVEITE

"FALA ALGUMA COISA QUE SE APROVEITE!"
11/11/2015

Dona Mariazinha Lima era uma mulher sábia. Na sua simplicidade, sempre que via uma discussão se prolongando sem qualquer resultado, ou alguém deitando falação sobre “abobrinhas”, atacando virulentamente algo ou alguém, sacava essa frase pra finalizar a encrenca: “Fala alguma coisa que se aproveite!”.

Gosto muito de escrever na Web, seja no Facebook, única rede social que frequento, seja no meu Blog. E estou sempre me lembrando dessa máxima da minha mãe. Tenho procurado escrever e falar sobre coisas que possam ser de real ajuda pra alguém. É claro, que como todas as pessoas normais, eu também escorrego nessa questão.

Fico pensando que em um grande número de vezes gastamos tanto tempo detratando, criticando, censurando e atacando com um alto grau de agressividade, pessoas e situações, explicitando nossa opinião, a qual aos nossos olhos é sempre definitiva e lúcida, que nos esquecemos de cuidar da nossa vida, de ajustar nosso próprio comportamento, de ajudar e confortar quem precisa, e, em última instância, de “falar alguma coisa que se aproveite”.

Assim, quando sou invadido por aquela vontade irresistível, e às vezes até pernóstica, de “chamar o pecado pelo nome” e “dar à trombeta o sonido certo”, escolho, antes, olhar meus próprios pecados e verificar se de fato estou habilitado a usar a trombeta que pretendo tocar.

Temos todos uma tendência forte de nos auto-proclamarmos arautos de uma verdade definitiva e clara, que às vezes não passa da nossa visão pessoal, particular e tradicionalista sobre determinado assunto ou situação. É preciso ter muito cuidado com isso, pois podemos causar danos irreparáveis sobre as vidas das pessoas, e até mesmo deixar mágoas indeléveis no coração de alguém. Os mesmos lábios que cantam um hino também iniciam uma guerra, estremecem amizades, destroem relacionamentos e distorcem a verdade.

Menciono dois textos, um do livro Evangelismo e outro da Bíblia, para que nos orientemos a respeito dessas querelas, encrencas e polêmicas, principalmente quando elas transcendem a privacidade das nossas casas e se propagam publicamente pelo mundo via Web.

“Sejamos, portanto, cuidadosos com nossas palavras. ... Falai a verdade em tons e palavras de amor. Cristo Jesus seja exaltado. ... Nunca deixeis o caminho reto traçado por Deus, no intuito de fazer um ataque a alguém. Esse ataque poderá causar muito dano mas nenhum bem. Poderá extinguir a convicção em muitos espíritos."” Evangelismo pg. 576.

“Estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós, fazendo-o, todavia, com mansidão e temor, com boa consciência...” I Ped.3:15-16. A Bíblia na Linguagem de Hoje traduz “mansidão e boa consciência” por “educação e respeito”.

O mundo já tem agressividade demais, intolerância demais, preconceito demais, violência demais, em suma, estupidez em excesso. Um pouco de tempero nas nossas palavras e atitudes, carinho e compreensão com as pessoas das quais eventualmente discordamos, ajudará a tornar tudo à nossa volta mais respirável. Com isso, não estaremos sendo condescendentes com nada, permissivos em relação a nada, estaremos tão somente espalhando o perfume agradável do amor de Deus.

E agora quero falar alguma coisa que se aproveite, primeiramente pra mim e minha família, e só depois, pra quem me lê ou me ouve: se o amor a Deus e ao próximo não for a coisa determinante de tudo que eu faço, posso jogar fora minha religião pessoal, meus arrazoados perfeitos, minhas sábias argumentações, mesmo a doutrina e princípios que penso observar. Até porque, a essa altura, minha religião institucional de nada me serviu, e o amor para com os outros, que é a maneira que o mundo tem de saber que se sou ou não discípulo de Jesus, não faz parte do meu cardápio relacional e espiritual. E, sem amor...

Mário Jorge Lima./ /
São Paulo, 04/Dezembro/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 04/Dezembro/2015.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.