Postado em: quinta-feira, 23 de abril de 2015

Reflexões Sobre a Graça - 20 - NOTA DESAFINADA

NOTA DESAFINADA

23/04/2015

Isso tem 40 anos. E era minha primeira experiência dentro de um estúdio de gravação, lá no Rio de Janeiro, com dois grupos que marcaram época, o Perspectiva e o Afirmação, este feminino. Era um tempo em que gravávamos as músicas do princípio ao fim, sem interrupções e já com acompanhamento. Normalmente eram as vozes e o piano, pois orquestrações nas produções evangélicas ainda eram raras.

Quando acontecia de alguém errar, se o erro não fosse grosseiro, continuávamos, para depois avaliar se aproveitaríamos ou não. Ainda não havia computadores e softwares poderosos administrando todo o processo e corrigindo diversos tipos de problemas, como por exemplo desafinações e notas erradas e fazendo emendas. E muitas vezes a música saia boa, totalmente aproveitável, mas lá no finzinho alguém errava uma notinha, uma pronúncia, era uma desafinação ou um pequeno pigarro, coisas que forçavam uma nova gravação desde o início, até ficar tudo perfeito. Imaginem as horas perdidas nesse processo.

Uma das músicas que gravamos naquela ocasião chamava-se Um Mundo Sem Amor (A World Without Love). Tínhamos tentado várias vezes, a turma já cansada, de madrugada, e na vez em que a parte vocal saiu boa eu errei uma notinha em um pequeno interlúdio de piano, que vocês notarão nesse trechinho abaixo, em 00:06s. Pelo chiado vocês vão sentir que isso veio de um vinil de 40 anos atrás (rsrs):

http://www.adveniat.com.br/audio/viversemamor1.mp3

Era um Fá sustenido que eu toquei como Fá natural. E pra minha tristeza, devido ao cansaço de todos, resolvemos ficar com aquele erro de piano, já que as vozes ficaram boas. Ao longo dos anos nunca me perdoei por isso e nunca deixava que perto de mim tocassem aquela faixa. E o que mais me incomodava é que não tinha mais jeito, estava gravado e assim distribuído.

Até que um dia, depois de 40 anos, ouvindo essa trilha com o maestro Flávio Santos em seu estúdio, em menos de um minuto, com um programa de computador, ele corrigiu aquela notinha, aquele erro que me incomodou por tantas décadas. Ouçam o interlúdio, corrigido e perfeito aqui:

http://www.adveniat.com.br/audio/viversemamor2.mp3

Assim se dá conosco. Carregamos, por vezes, ao longo de toda a vida, vergonha, opróbrio, culpas, incômodo, o peso de um erro do passado. Não nos permitimos jamais rever e nem mesmo pensar em certas situações que vivenciamos e pelas quais passamos, muitas vezes com dor, sim, com vergonha e grande desconforto. E achamos que aquilo não tem mais jeito. E passam-se décadas, muito tempo desperdiçado e mal vivido.

Até que um dia, pela graça, deixamos que um grande maestro, Cristo Jesus, utilizando programas maravilhosos, Sua graça, Seu perdão, Sua Justificação, leve embora a vergonha, a culpa, o medo e a dor, e assim nos tornamos livres, novas criaturas, nossa vida se torna uma nova melodia nas mãos dEle, nos revestimos de Sua justiça e nos submetemos à Sua vontade.

Nossa vida está cercada de coisas do passado que nos envergonham, sim, e pior, somos acusados por gente que só vê e escuta em nós as notas erradas, mas que nunca nos procura para nos ajudar a corrigir aquelas notas tortas com amor e com a eficácia espiritual que apenas o Evangelho puro de Cristo Jesus possibilita. Nós também agimos assim com os outros e conosco mesmos.

Perdoe. Perdoe-se. Aceite o perdão da cruz, que já está dado desde antes da fundação do mundo, e que cobre todos os seus pecados, sejam eles passados, presentes e até mesmo os futuros. Basta apenas que você creia nisso, arrependa-se, confesse e deixe que o software divino corrija as suas notas, suas desafinações, seus vacilos. Amém!

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 23/Abril/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 23/Abr/2015.
“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

0 comentários:

Postar um comentário

Esse Blog não se prestará a polêmicas doutrinárias, é apenas devocional. Você não precisa concordar comigo e pode dar sua opinião livremente, se não for agressiva nem fugir aos princípios de convivência cristã, será publicada.