Seja bem-vindo(a) ao meu Blog. Sou Mário Jorge Lima, e abaixo estão textos meus, apresentados como sermões, palestras, ou simplesmente frutos de minhas reflexões pessoais.

Sou pai dessas 5 moças ao lado, Mariana, Isabela, Júlia, Laura e Luíza, a quem amo mais que a mim mesmo. Quando escrevo sobre assuntos espirituais, quando apresento palestras ou sermões, é primeiramente para elas e pensando nelas que estou escrevendo e falando.

Esses textos, atualizados sempre que eu os crio, e para isso não tenho uma periodicidade definida, são o legado escrito que deixarei a elas, sem erudição, sem proselitismo, sem "filosofismos". São as coisas em que de fato creio e pelas quais hoje vivo. Se Deus me der o tempo e a chance necessários, ainda pretendo escrever um livro com estas reflexões. Se não conseguir, elas estarão pra sempre aqui nesse Blog.

OBS: As palestras são organizadas com as mais recentes sempre no Topo.

Postado em: sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Pérolas Esparsas - 10 - ORAI UNS PELOS OUTROS

ORAI UNS PELOS OUTROS

27/02/2015

Essa semana um querido tio meu foi internado às pressas no Rio de Janeiro. Soube hoje também, aqui no bairro onde moro, de um senhor que me prestou bons serviços há algum tempo, e faleceu depois de muito sofrimento. Sei de muitos casos, de pessoas conhecidas e do meu relacionamento, que estão com problemas de saúde, uns passando por cirurgias delicadas, alguns até desenganados. Não sei se minha percepção está correta, mas acho que nunca tive tantas pessoas à minha volta com tantos problemas sérios de saude, nunca tantas pessoas à minha volta sofreram tantas perdas como nesses últimos tempos.

Na realidade, este é o tempo para orar, e orar muito. Se há um tempo em que a prece deve ser ferramenta de utilização constante e intensa na vida do cristão, esse tempo é agora. A oração tem, entre muitos outros, também o papel de nos colocar em sintonia com a vontade de Deus e nos acalmar. Ela traz conforto e paz interior, coloca-nos na solitude do contato íntimo com o Criador.

E a oração intercessória é outro instrumento para demonstrarmos, em meio aos nossos próprios problemas, um pouco de desprendimento, bondade, amor cristão e interesse pessoal, uma vez que deixamos de olhar para o nosso próprio mundinho e passamos a enxergar que à nossa volta há um mundo bem maior de pessoas carentes, assim como nós, precisando de ajuda de todo tipo, principalmente espiritual.

Nunca fui de pedir a alguém que orasse por mim por achar que a oração daquela pessoa é mais preciosa e aceita por Deus do que a minha. Deus ouve igualmente as orações de todos os que O buscam. Mas, é muito prazeroso saber que somos motivo das preocupações espirituais de alguém. A oração intercessória, com certeza, cumpre esse papel de comunidade, de igreja, e segue a recomendação de Tiago 5:16. Foi quando orava pelos seus amigos que Jó obteve de Deus a resposta para os seus proprios problemas (Jó 42:10). Quando destruiu Sodoma e Gomorra, foi da súplica de Abraão acerca de Ló que Deus lembrou, e, assim, livrou Ló da ruína (Gen. 19:29).

Dois fatos me emocionaram ontem. Pela manhã, um amigo de Rio das Ostras-RJ, Wanderson Figueiredo, me escreveu dizendo que está orando por mim e por minha família. Interessante que, embora as famílias de nossos pais e avós se conheçam e sejam amigas há mais de meio século, não tenho tido com o Wanderson um contato pessoal próximo. Saber que ele ora espontaneamente por mim fez o meu dia melhor. Obrigado, meu irmão, passei a orar por você e sua querida família também.

E o outro fato foi esse video, cujo link está no final dessa postagem. Nas ruas de New York um menino morador de rua ficou duas longas horas, com temperatura abaixo de zero, se contorcendo no frio. Ninguém parou para ajudá-lo. Alguns até diminuiram o passo para olhar para ele, mas ninguém fez efetivamente nada. A única pessoa que se aproximou dele, depois desse tempo todo, tirou o próprio casaco e vestiu nele, abraçou-o, conversou com ele e até lhe deu algum dinheiro, foi exatamente um outro morador de rua. E mais significativo ainda, por estar na terra de Tio Sam, este era um homem negro ajudando aquela criança branca. Um moderno e pobre samaritano.

O interesse pelo próximo, seja para orar por ele, seja para atendê-lo em suas necessidades básicas, faz parte do que chamamos Ministério da Bondade. Há pessoas que jamais se interessarão por um contato evangelístico ou doutrinário, mas, se enternecerão até a última célula, por um ato desinteressado e espontâneo feito em seu favor. Essas ações farão mais pelo Evangelho do que dezenas de sermões.

Peçamos a Deus fartas doses desse desprendimento, que nos faça acordar nas madrugadas para orar por nossos amigos e até mesmo inimigos, se os tivermos. Que nos faça dar daquilo que não temos. Que nos faça gastar tempo numa visita, num telefonema, enviando um torpedo ou email de interesse real. Até porque, naquela cena simbólica narrada por Jesus, de separação dos bodes e ovelhas, Jesus não nos perguntará sobre nossas crenças e comportamento, mas, sim, o que fizemos em prol do seus pequeninos.

E antes que alguém pense que estou ensinando justiça própria ou salvação por obras, não é disso que estou falando, mas sim, do fruto do Espírito, entre cujos gomos encontramos coisas do tipo: amor, benignidade e bondade.

Mário Jorge Lima./

www.olhaquevideo.com.br/video/3599/um-cara-passa-frio-por-duas-horas-ate-que-acontece-algo-magico

Postado em: domingo, 22 de fevereiro de 2015

Reflexões Sobre a Graça - 18 - DEUS AMOU O MUNDO DE TAL MANEIRA (1)

DEUS AMOU O MUNDO DE TAL MANEIRA (1)

22/02/2015

Nunca entendi o amor de Deus. Aceito-o e me fortaleço nele, mas sem compreendê-lo. Com minha mente degenerescida por seis milênios de pecado seria de fato uma grande petulância querer perceber as minúcias do sentimento que moveu o Criador na direção da criatura.

O que leva um Deus perfeito, santo e infalível a declarar justos seres humanos absurdamente pecadores?

O que leva um Deus perfeito, santo e infalível a considerar limpos, como se nunca houvessem pecado, pessoas que na realidade estão carregadas de culpas e erros?

O que leva um Deus perfeito, santo e infalível a justificar um pecador, baseado apenas num ato de fé, independente de qualquer boa obra que ele tenha praticado?

O que leva um Deus perfeito, santo e infalível a atribuir a um homem pecador todos os méritos, justiça e obediência de um Santo, Seu único Filho?

Graça! Graça plena, maravilhosa, abundante e, sob todos os aspectos, incompreensível!

Se reuníssemos todo o conhecimento teológico do mundo a respeito desse assunto, ainda assim, estaríamos apenas arranhando a superfície do que ele vem a ser. Será nosso tema de estudo e de júbilo por toda a eternidade.

Revigore-se com essa certeza para enfrentar - talvez já esteja enfrentando - uma semana dura, com todos os seus riscos e mazelas, mas também com alegrias e vitórias em Cristo Jesus.

E agora, coloque seu fone de ouvido, ajuste o som, feche os olhos, e mentalize esse amor infinito ouvindo "God So Loved the World" da Cantata "A Crucifixão", de Sir John Stainer, com o Mormon Tabernacle Choir, uma das peças mais lindas que já ouvi na música sacra.

https://www.youtube.com/watch?v=ihx_5aFK0cY

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 22/Fevereiro/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 22/Fev/2015.
“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Pérolas Esparsas - 09 - A NAÇÃO DA CRUZ

A NAÇÃO DA CRUZ

19/02/2015

Todos que estão atualizados com o noticiário em qualquer tipo de mídia acompanharam o drama terrível daqueles 21 cristãos coptas egípcios que foram mortos por decapitação bárbara e chocante pelos guerrilheiros do chamado Estado Islâmico. Algo que trouxe repulsa ao mundo todo, e tenho certeza de que nossos irmãos islâmicos verdadeiros devem sentir doer em suas próprias almas aquela carnificina, entristecidos e envergonhados que estão por ver sua crença confundida com aqueles assassinos.

Os coptas são descendentes dos antigos egípcios, que se converteram ao cristianismo no I século, formam atualmente 10% da população egípcia e são tratados como cidadãos de segunda classe. 90% dos cristãos coptas pertencem à Igreja Ortodoxa Copta. Os 10% restantes se dividem entre a Igreja Católica Copta e a Igreja Protestante Copta.

Longe está desse texto qualquer intenção de ideologizar ou politizar aquele fato de terror, penso que não temos o direito de teorizar friamente em cima de um crime tão hediondo que marcou para sempre diretamente as vidas de vinte e uma famílias como a minha e a sua, bem como todo um país.

Eu cheguei a ver o vídeo preparado pelo EI, com requintes de produção e vinhetas, e que retratou toda a caminhada que os algozes fizeram com suas vítimas até chegarem a uma praia tranquila do Mar Mediterrâneo, onde a execução se deu, após a leitura de textos, ameaças, cânticos e palavras de ordem. Vídeo estarrecedor, cujo título era "Uma mensagem assinada com sangue para a nação da cruz". Confesso que na hora "H" fechei os olhos, tão estupefato fiquei com tudo aquilo, vendo depois apenas a finalização do vídeo, com as suaves marolas na praia tingidas pelo sangue daqueles mártires. Mas duas coisas me chamaram a atenção e me levaram a esta reflexão.

Uma delas, e foi a que mais me impressionou, foi a firmeza e aparente tranquilidade e ausência de medo com que caminharam para a morte, lado a lado com seus carrascos, sem tropeçar, sem tentar atrasar a marcha, sem chorar ou demonstrar desespero.

Eram todos homens relativamente novos, fortes, e independente do que seguramente lhes ia na alma naquele instante, cumpriram um bonito papel que confirmava sua propalada fé. Nem mesmo quando lhes foi ordenado que se ajoelhassem para o ato final houve algum que hesitasse.

Soube depois que ali só havia vinte, não sei se um deles renunciou, se foi poupado ou se já havia sido morto antes. Também não cheguei à mórbida atitude de contá-los. Foi divulgado depois que um deles, focado em close, disse como sua última palavra pronunciada o nome de Jesus, enquanto outros recitavam orações.

E o outro detalhe que me tocou muito foi que os carrascos denominaram aqueles mártires bem como os fiéis de sua crença como a Nação da Cruz. Penso que não poderiam ter escolhido melhor qualificativo para quem conscientemente abraça o evangelho puro de Cristo Jesus. Imediatamente veio-me à mente o texto de Marcos 8:34:

"Então, convocando a multidão e juntamente os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.". E Lucas 9:23 diz assim: "... tome dia a dia a sua cruz e siga-me."

É isso mesmo que somos, ou pelo menos deveríamos ser, todos nós cristãos, independente das diversas denominações em que tristemente nos fraccionamos: a Nação da Cruz, com nossa carga diária de responsabilidades com essa designação.

Fico pensando que muitas vezes vivemos nossa opção religiosa numa espécie de euforia sem fim, embalados por momentos de exaltação ruidosa, sem reflexão maior em relação ao mundo e à hora que vivemos, e nessas ocasiões nos parecemos muito pouco com a Nação da Cruz.

Antes que alguém diga que o cristão deve ser alegre, feliz, radiante, não precisa viver fechado, deprimido e sorumbático, eu quero dizer que concordo, claro, e não é disso que estou falando. O que quero trazer à reflexão - e ninguém precisa concordar comigo - é que nosso chamado para viver uma vida abundante, plena de antegozo pela glória que um dia teremos, é também, e talvez até antes de tudo o mais, um chamado para carregar uma cruz.

Além disso, Jesus não nos pediu que carregássemos a Sua cruz, como erradamente às vezes pensamos, Ele pediu que cada um carregasse a sua própria cruz, as suas próprias mazelas, fizesse as suas próprias renúncias e escolhas. E é claro que Ele não nos deixará fazer isso sozinhos, entregues à nossa própria sorte. Como Pai amoroso, caminhará conosco todas as milhas necessárias, e também nos concederá alegrias e momentos de puro júbilo ao longo do caminho.

Não acho que Jesus tenha levado aqui uma vida entristecida e infeliz, imaginem se essa seria a Sua postura, por exemplo numa festa de casamento. Mas, a importância e seriedade de Sua missão de tirar o pecado do mundo, certamente O conduziu muitas vezes a momentos de angústia e lágrimas.

E embora não haja na Bíblia relatos em que tenha sido visto sorrindo, há pelo menos um momento em que Ele manifestou alegria no Espírito Santo. Está mencionado em Lucas 10:21, e a razão daquela alegria tinha tudo a ver com Sua missão: foi por ver o fruto do trabalho de evangelização feito pelos 70 que havia enviado, após haverem afrontado o reino das trevas, e por saber que aquilo significava a vitória do reino de Deus:

"Naquela mesma hora, se alegrou Jesus no Espírito Santo e disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos.".

Chego a imaginar Jesus com o rosto radiante, vislumbrando "Satanás caindo do céu como um raio", como narra o texto bíblico, saltando e socando o ar naquele gesto conhecido pelos jovens e dizendo, alto e bom som: "YES. Era isso que eu esperava desses discípulos que Me deste, Pai. Muito obrigado!"

Espiritualmente somos "... a raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz." I Pedro 2:9.

Que privilégio e responsabilidade! Vamos, pois, viver nossa vida temporal, apreciando e desfrutando as bênçãos que Deus em Seu propósito nos der, mas sabendo e nunca perdendo de vista, que somos, acima de tudo, a Nação da Cruz!

"Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo.". Gal. 6:14.

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 19/Fevereiro/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 19/Fev/2015.
“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Pérolas Esparsas - 08 - ALEGRIA E LIBERDADE!

ALEGRIA E LIBERDADE

13/02/2015

Hoje, já sexagenário, como cristão que aguarda o advento de Cristo Jesus, tenho uma visão sobre a Lei de Deus absolutamente mais graciosa e feliz do que até poucos anos atrás. Cresci num ambiente espiritual edificante, meus pais eram egressos de um movimento adventista que primava por uma pregação severa da observância às Dez Palavras, ou Decálogo, como gosto de chamar a Lei de Deus. Amava e amo a vontade expressa de Deus, mas, confesso que sempre senti uma pressão muito grande em buscar guarda-la com uma perfeição jamais atingida por mim nem por ninguém, o que sempre me incomodou e privou da alegria de me sentir salvo em Cristo Jesus.

Após um período de desencontros eu descobri os meandros da Graça de Deus, a qual confere à Lei o seu lugar de proeminência na vida cristã, mas, tira dela qualquer papel salvífico, ou seja, de meio de salvação ao qual deva me agarrar de forma sofrida e desesperada. Como Paulo diz em I Tim. 1:8: “Sabemos, porém, que a lei é boa, se alguém dela se utiliza de modo legítimo”.

E a maneira legítima de nos utilizarmos da Lei de Deus é enxerga-la como um código de amor, como comandos relacionais, muito mais do que comportamentais. Sem relacionamento com o Legislador não haverá a paz e a alegria na observância da Lei, que o salmista Davi tanto cantava. Ou temos o espírito dos seus mandamentos impressionando o nosso coração ou ela não nos servirá de muita coisa. Assim acabaremos como exegetas raivosos, policiando a nós e aos nossos irmãos, ao invés de cristãos agradecidos e submissos à vontade de Deus de forma voluntária e feliz.

Se você observar, verá que a Lei de Deus não começa com o primeiro mandamento, como erradamente tem sido grafada e desenhada ao longo dos séculos. A Lei tem um belo preâmbulo, um prefácio, que nos lembra o que Deus primeiro fez, tirando-nos de uma condição de servidão, de escravidão, para só então aguardar a nossa resposta ao seu ato de libertação.

E esse prólogo é a prova maior de que a Lei de Deus é uma peça de liberdade e não de opressão e peso. Ele não iria, em Sua provisão amorosa, nos libertar, para em seguida nos escravizar novamente. Não iria tirar você de uma escravidão no Egito da vida para em seguida escraviza-lo a mandamentos pesados e sufocantes. Isso seria ver na Lei um Deus libertador, que escreveu aquele prólogo, e um Deus escravizador, que escreveu em uma série de “Nãos” opressores e restritivos.

Quando descobre e aceita o evangelho de Cristo Jesus você se torna livre. Livre para fazer agora também a vontade de Deus, porque livre pra fazer a sua própria vontade você sempre foi, desde o Éden. Esse é o verdadeiro sentido da liberdade e da alegria que o evangelho traz.

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 13/Fevereiro/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 13/Fev/2015.
“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: domingo, 8 de fevereiro de 2015

Reflexões Sobre a Graça - 17 - SINCERIDADE E VERDADE

SINCERIDADE E VERDADE

08/02/2015

Se eu, sendo cristão, estudar a minha Bíblia com oração e com sinceridade, e descobrir algo que de modo consciente venho a compreender e aceitar como verdade, só me resta uma única alternativa: passar a viver em função daquela verdade e com aquele entendimento na minha mente e no meu coração.

Se não o fizer, ou deixo de ser sincero ou, de fato, não creio naquilo que descobri. Não há uma outra hipótese. Essa é uma escolha pessoal, ou seja, decidir se daí pra frente viverei um cristianismo coerente, ou se conviverei com uma condição de falta de sinceridade ou ausência de fé.

A boa nova é que ainda assim a graça me cobre de modo incondicional. A oferta da graça não cessa, estará sempre, dadivosa e disponível à espera da minha atitude e da minha resposta.

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 08/Fevereiro/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 08/Fev/2015.
“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Pérolas Esparsas - 07 - HONRA TEU PAI E TUA MÃE

HONRA TEU PAI E TUA MÃE

06/02/2015

Enterneço-me sempre que penso nos meus pais. Perdi meu pai quando eu tinha apenas dez e ele trinta e cinco anos de idade. Tirando os anos da minha mais tenra infância, foi muito pouco o tempo que tivemos juntos. Mas, foi suficiente para que eu o ame até hoje como se sempre tivesse estado ao meu lado. Legou-me coisas lindas como a religiosidade e espiritualidade que hoje tenho, seu amor pela arte e uma certa habilidade com as palavras, tanto poesia como prosa. Minha mãe morreu já bem mais tarde, viveu até os setenta e seis anos de idade, e foi mãe e pai para mim e minha irmã, consolidando em nós aquilo que hoje possuímos de amor às coisas de Deus.

Quantas vezes, ao longo da minha já sexagenária vida, precisei e quis ter um abraço e beijos paternos, alguém humano a quem pudesse chamar de pai, com quem pudesse chorar minhas mazelas, aconselhar-me e aprender a viver. Quantas vezes desejei ouvir meus dois velhinhos orando por mim, ou esperando-me chegar com a família, num domingo, para almoçar, ou ainda comemorando aniversários, brincando e mimando suas netinhas. São coisas sem preço que não vivi e não viverei.

O mandamento divino que nos ordena honrar pai e mãe é o primeiro do grupo que foca nosso relacionamento com nossos semelhantes. Isso já coloca nossos pais numa posição de proeminência sobre todas as demais pessoas que nos cercam. Honrar tem diversos significados, mas, um deles, certamente, há de ser colocá-los no lugar que merecem, à nossa mesa, na nossa casa e na nossa vida.

Além disso é um mandamento diferente de todos os demais. Leis são conjuntos de regras, além de penas e condenações associadas ao não cumprimento dessas regras. Mas, na Lei de Deus, o quinto mandamento foge a isso ao conter nada mais nada menos que uma promessa de vida, e vida abundante.

Outro dia vi o vídeo de uma entrevista do maestro e pastor Williams Costa Jr., meu amigo de muitos anos, em que uma de suas filhas lhe disse o que, pra mim, representou a maior homenagem que um filho cristão poderia prestar a um pai também cristão. Carolina Costa falou assim ao pai: "Eu adquiri o costume de consulta-lo antes de tomar uma decisão. Muitas vezes eu oro e vou pedir o seu conselho, sabendo que você é um homem de Deus e o que você falar provavelmente é a vontade dEle pra mim."

Carol foi na direção do cerne do quinto mandamento. Não há maior honra para um pai ou uma mãe tementes a Deus do que ter os seus conselhos e orientações aos filhos considerados como sendo a indicação da vontade de Deus para eles. De certa forma, os pais responsáveis e conscientes, estão sim, como representantes de Deus para seus filhos. Efe. 6:1.

É bem verdade que, assim como há filhos desobedientes, rebeldes, ingratos, há também pais que fugiram completamente ao seu dever e às suas responsabilidades diante dos filhos e da família. Esses filhos e pais se desviaram do plano de Deus, mas essa é uma outra história.

Apresentar um dia a Deus os nossos filhos, dizendo a Ele as palavras bíblicas de Is. 8:18, "Eis-me aqui, com os filhos que me deu o Senhor", deve ser o sonho e objetivo de cada pai e mãe cristãos. Pela graça de Deus, somente pela graça de Deus, meus pais poderão dizer isso, e eu também espero e creio que o farei. Sem essa perspectiva linda e abençoada, confesso, o céu perde muito do brilho pra mim.

Cristo deu-nos o exemplo, honrando e submetendo-Se a Seus pais terrenos, assim como honrou e submeteu-Se aos propósitos de Seu Pai celestial. Em um mundo hediondo, onde pais e filhos se tornaram elementos de um conflito cruel, minha oração diária é que nossos filhos e filhas, assim como nós pais, adquiramos a noção exata do quanto Deus nos ama e do quanto espera que honremos essa relação pais-e-filhos, indissolúvel, e que será também eterna

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 06/Fevereiro/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 06/Fev/2015.
“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.

Postado em: segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Pérolas Esparsas - 06 - SÃO PAULO FORA D'ÁGUA

SÃO PAULO FORA D'ÁGUA

02/02/2015

Maior cidade da América do Sul, sétima maior do mundo, mais de 11 milhões de habitantes, 450 anos de existência, motor comercial e industrial do país. Carioca que sou, posso dizer, após 22 anos morando aqui, que amo São Paulo, que me propiciou três das cinco filhas que tenho, da mesma forma que amo o Rio de Janeiro, minha cidade natal.

Hoje li uma reportagem chocante em que um diretor da SABESP, com carreira desenvolvida dentro dessa companhia estadual, empenhou sua idoneidade e respeitabilidade pessoal e profissional, talvez até a própria carreira, ao dizer: "Saiam de São Paulo porque aqui não vai ter água." Vejam a matéria lá embaixo

Até gostaria de acreditar que possa haver algum exagero nessa corajosa afirmação, mas, quem vem acompanhando há alguns meses as idas-e-vindas desse seríssimo problema, saber ser essa uma realidade cada vez mais presente. Temos visto também a dissimulação e posturas escorregadias e irresponsáveis dos líderes políticos desse Estado. E sabemos que isso é realidade também em outros lugares, como Rio de Janeiro, Minas, até Manaus. E é uma pena que, algo que já acontece no Nordeste há décadas (que nos diga o Velho Chico), só tenha alarmado a nação quando atingiu o Sudeste maravilha.

E não é nem caso de procurar responsáveis, tipo "caça às bruxas", pois as bruxas e bruxos, além de muitos, se espalharam por pelo menos quatro das últimas administrações estaduais e federais. É caso, sim, de reunir as melhores cabeças pensantes e técnicas desse País, e procurar soluções. Soluções essas que vão cortar na nossa carne, mas que, se não forem clara e destemidamente expostas à população, não contarão com o apoio e participação da mesma, o que acelerará ainda mais o processo de ruína.

Permitam-me aqueles que não são religiosos, abrir parênteses para 4 textos bíblicos proféticos, escritos há milênios, que já previam situações caóticas assim. E vejam a clarividência do texto bíblico:

"Como geme o gado! As manadas de bois estão sobremodo inquietas,porque não têm pasto; também os rebanhos de ovelhas estão perecendo." Joel 1:18.

"A terra geme e desfalece; o Líbano se envergonha e se murcha; Sarom se torna como um deserto, Basã e Carmelo são despidos de suas folhas." Isaias 33:9.

"Geme, ó cipreste, porque os cedros caíram, porque as mais excelentes árvores são destruídas; gemei, ó carvalhos de Basã,porque o denso bosque foi derribado." Zacarias 11:2.

"Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora." Romanos 8:22.

Fiquemos atentos, mas também esperançosos. Temos Alguém controlando essa história, e que agirá segundo os Seus propósitos. Essa é apenas uma parte das mazelas desse planeta.

Aproveito para pedir orações por Patrícia Iglecias, irmã e amiga querida de nossa IASD em Moema-SP, recém eleita secretária Estadual de Meio Ambiente aqui no Estado de São Paulo. Patrícia, assim como José no Egito, tem a tarefa quase impossível de administrar a escassez. Que Deus lhe dê discernimento, competência, espiritualidade e comunhão com Ele, para que, infensa à corrupção que assola todos os níveis administrativos dessa nação, possa ser um exemplo e ser usada em benefício do povo, não apenas paulista, mas de todo o país.

Com confiança, com alegria e certeza da salvação pela graça de Cristo Jesus, aguardemos o desenrolar dos acontecimentos, mas de forma ativa, colaborando de todas as maneiras possíveis, dentro das nossas esferas de atuação, o que, sem dúvida, começa nas nossas casas.

Feliz Semana!

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/saiam-de-sao-paulo-porque-aqui-nao-vai-ter-agua-a-espantosa-sinceridade-de-um-diretor-da-sabesp/

Mário Jorge Lima./
São Paulo, 02/Fevereiro/2015.

Autor: Mário Jorge Lima
São Paulo, 02/Fev/2015.
“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso [a salvação pela graça] não vem de vós; é dom de Deus.” Ef. 2:8.