Postado em: sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Luz e Sombras

Luz e sombras - ou trevas - sempre foram metáforas de coisas opostas, tais como verdade e mentira, certo e errado, salvação e perdição, alegria e tristeza. Desde cedo nos acostumamos a fazer essas associações. A própria sucessão milenar de dias e noites incorporou em nós essa dicotomia.

A Bíblia diz em um dos diversos versículos que citam dois estados da alma humana, que o povo de propriedade exclusiva de Deus é chamado a sair “das trevas para Sua maravilhosa luz” I Ped.2:9.

Deus é dito por Tiago como sendo o “Pai das luzes”, em quem não há mudanças ou “sombra de variação” Tiago 1:17. Vejam aqui claramente exposta a mencionada oposição entre luz e sombras.

A Bíblia, em outra citação, falando sobre jugo desigual, questiona “que comunhão há entre a luz e as trevas?” II Cor. 6:14.

Jesus comentou várias vezes sobre essa desigualdade entre luz e trevas. Vejamos pelos menos dois desses versículos:

“Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” João 8:12.

“Eu sou a luz que vim ao mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas.” João 12:46.

Nessa minha reflexão quero fazer uma aplicação diferente. Quero dizer que não se vive sem sombras. Nem no mundo físico nem nos assuntos da alma. As sombras são um resultado natural da exposição à luz, à claridade. É a luz do sol que as sombras faz nascer - já dizia um antigo hino cristão. Só vê as sombras quem está na luz. Sem luz não há sombras, ou, melhor dizendo, tudo é constituído de sombras.

A inferência que se faz é que não vivemos sem dúvidas, sem tristezas, sem medos, sem inseguranças, sem dor. Essas coisas são inerentes à condição humana, fazem parte da aventura humana, seja você uma pessoa com mente espiritual ou não. O próprio Evangelho não é um chamado à euforia, a uma alegria linear e sem fim, a uma existência triunfalista, a um mar de rosas. Não nessa vida. Mas, é um chamado, sim, para carregar uma cruz e seguir a Jesus. O Mestre sabia do que falava.

Toda alegria e contentamento que possa existir para algumas pessoas ainda nessa vida, tem sempre prazo de validade. Não há como negar ou não admitir: a grande massa da humanidade passa por essa vida de forma penosa, sofrida, miserável. Nossa natureza é caída, nosso tempo é muito curto. Nesse mundo, está garantido, teremos aflições.

Mas, na metáfora da luz & sombras podemos vislumbrar uma reflexão preciosa e confortadora – principalmente para aquele que possui fé. Se você olhar para a luz, ou se virar na direção da fonte da luz, embora elas continuem existindo e presentes, não verá as sombras. Elas estarão sempre atrás de você.

Com base nisso, confesso que não sei muito o que dizer para quem não crê. Talvez, voltar-se para as coisas positivas da vida, para as realizações, para seus projetos, focar-se naquilo em que vê sustância. Isso o fará deixar de lado tudo de menor importância e poderá fazê-lo sentir-se melhor.

Mas, se você crê, volte-se para Deus, o Pai das luzes, volte-se para Cristo Jesus, o sol da Justiça e siga-O. Olhando-O, as sombras ficam atrás de você. Voltando-Lhe as costas, você encarará diretamente as sombras.

Embora as sombras da vida, a coisa medonha continue à sua volta, você certamente não estará focado nelas. Outro velho hino me assegura também que Deus está nas sombras, portanto, você jamais estará sozinho, sem ajuda. E não esqueça que pra você também é válido o que eu disse acima pra quem não tem fé espiritual.

E pra todos nós, crédulos ou incrédulos, uma boa, saudável e luminosa atitude seria olharmos menos pra nós mesmos, para nossos próprios umbigos. Quando focamos as necessidades, sofrimento, ou seja, as sombras de quem caminha ao nosso lado, iluminamos a vida deles e consequentemente a nossa própria existência.

Autor: Mário Jorge Lima

0 comentários:

Postar um comentário

Esse Blog não se prestará a polêmicas doutrinárias, é apenas devocional. Você não precisa concordar comigo e pode dar sua opinião livremente, se não for agressiva nem fugir aos princípios de convivência cristã, será publicada.