Seja bem-vindo(a) ao meu Blog. Sou Mário Jorge Lima, e abaixo estão textos meus, apresentados como sermões, palestras, ou simplesmente frutos de minhas reflexões pessoais.

Sou pai dessas 5 moças ao lado, Mariana, Isabela, Júlia, Laura e Luíza, a quem amo mais que a mim mesmo. Quando escrevo sobre assuntos espirituais, quando apresento palestras ou sermões, é primeiramente para elas e pensando nelas que estou escrevendo e falando.

Esses textos, atualizados sempre que eu os crio, e para isso não tenho uma periodicidade definida, são o legado escrito que deixarei a elas, sem erudição, sem proselitismo, sem "filosofismos". São as coisas em que de fato creio e pelas quais hoje vivo. Se Deus me der o tempo e a chance necessários, ainda pretendo escrever um livro com estas reflexões. Se não conseguir, elas estarão pra sempre aqui nesse Blog.

OBS: As palestras são organizadas com as mais recentes sempre no Topo.

Postado em: sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O Céu é dos Perfeitos!

O mundo em que vivemos, todos sabemos, acaba sendo dos fortes, dos ricos, dos poderosos, dos espertos, dos mais bem preparados segundo os valores da pós-modernidade. Mas, o céu, disso não resta nenhuma dúvida: o céu é dos perfeitos! Mas, perfeitos segundo a noção divina de perfeição.

Os perfeitos para Deus - por tudo que aprendemos em Sua Palavra - são imperfeitos. Eles falham, mas são conscientes de sua condição, são totalmente dependentes da maravilhosa graça de Deus. O pecado não é mais a força determinante da sua vida, embora, miseravelmente ainda pequem. Mas, confessam seus pecados, arrependem-se, libertam-se da culpa e respondem, reagem ao amor de Deus com relacionamento e mudança de vida.

Eles crescem na graça, mantêm o coração aberto à influência do Espírito Santo, aceitam pela fé os méritos e a justiça de Cristo Jesus como sendo seus, exercem a misericórdia e o perdão, manifestam amor ao próximo. Sabem que nada sabem, nada podem não são melhores que ninguém que pense ou creia de forma diferente deles.

Esses perfeitos têm consciência de que toda excelência que acaso tenham ou manifestem na vida, é de Cristo Jesus. Buscam conectar-se à videira verdadeira, deixam nascer e crescer o fruto do Espírito, foram justificados sem ser justos, estão na estrada do céu, correm para o alvo, seguros na mão de Deus, e, assim, têm certeza e alegria da salvação.

Essas pessoas existem; estão aí à nossa volta; somos nós; eu e você.

Autor: Mário Jorge Lima

Postado em: segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

A Renúncia do Papa Bento XVI - Parte II

Uma palavrinha necessária em relação à minha postagem de hoje cedo sobre esse assunto, a qual quero dar com amor cristão e carinho, encerrando assim minha participação. Sem isso não ficaria completa.

Nem todos que divulgam artigos, textos assustadores e escatológicos, são necessariamente alarmistas. Há muita gente sinceramente preocupada em compreender e ter uma posição equilibrada sobre esse fato importante. Eu até acho que a grande massa dos que assim agem são pessoas desejosas de ver Jesus voltar. E não tenho o direito de julgar minhas preocupações e reflexões melhores do que a de quem quer que seja. Isto é, não posso ser arrogante a ponto de achar que os outros são alarmistas e eu sou equilibradamente antenado.

Eu acredito que é a vontade de ver um fim para tudo de ruim que acontece no nosso mundo, é o anseio por rever queridos que se foram levados pela morte, é o desejo de cura física, emocional e espiritual, é a esperança de ver relacionamentos restaurados, é o apavoramento diante da hediondez medonha que nos acompanha diariamente, é a vontade de ver Jesus, que na maioria das vezes nos leva a enxergar além dos fatos reais do noticiário.

E mesmo os alarmistas - e é claro que os há - podem estar sendo, sim, muito honestos em suas reflexões e preocupações. Não sou melhor que eles. Eu sinceramente torceria para que eles estivessem certos e logo pudéssemos ver o Rei em toda Sua glória.

Para ficar espiritual e saudavelmente alertas, basta nos vestirmos da graça de Cristo Jesus e continuarmos nosso serviço de amor, pois o amor lança fora o medo. E ao identificarmos um alarmista irreversível, ao invés de arrogantemente censurá-lo e querermos ensiná-lo, intercedamos por ele.

Grande abraço a todos que leram meu primeiro post e este agora.

Deixo a todos as palavras de um velho e amado hino do antigo Hymnario Adventista (era assim que se escrevia), da primeira metade do século passado, e que dizia:

Em nada ponho a minha fé, senão na graça de Jesus,
No sacrifício remidor, no sangue do bom Redentor.

A minha fé e o meu amor estão firmados no Senhor,
Estão firmados no Senhor.

Se Lhe não posso a face ver, na Sua graça vou viver,
Em cada transe a suportar, sempre hei de nele confiar.

Seu juramento é mui leal, abriga-me no temporal,
Ao vir cercar-me a tentação, é Cristo a minha salvação.

Autor: Mário Jorge Lima

A Renúncia do Papa Bento XVI

O papa Bento XVI anunciou a sua renúncia ao trono do Vaticano a partir de 28 de fevereiro de 2013. Isso foi exaustivamente confirmado pelo Vaticano e pela mídia do mundo inteiro. Antes que sejamos assolados por uma onda de alarmismo e profecias mal compreendidas e interpretadas - o que fatalmente acontecerá, não tenham dúvidas - cumpre dizer que este fato pode realmente ter significado espiritual na história deste mundo ou pode ser algo absolutamente corriqueiro na vida do Vaticano.

Em qualquer dos dois casos, não há nenhuma razão para sustos ou ansiedades por parte daqueles que estão em Cristo Jesus. Ainda vivemos em tempos de plena graça, e isso é misericórdia divina, Ele, que tem o Seu tempo, Ele que controla a história e a levará a um final feliz.

A plenitude dos tempos, um tempo de Deus, que Ele determinou por ocasião da primeira vez que Cristo Jesus veio de forma visível a este mundo, também se dará por ocasião da tão aguardada Segunda Vinda de Jesus, nossa bem-aventurada esperança.

Que esse fato, ao invés de nos causar uma ansiedade doentia e sem entendimento, apenas aumente o nosso anseio saudável e justificado de ver Jesus voltar, e estimule nossa vontade e atitude de andarmos com Deus no dia a dia, acelerando assim nosso preparo individual para aquela ocasião.

"Pela graça sois salvos".

Autor: Mário Jorge Lima

Postado em: sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Luz e Sombras

Luz e sombras - ou trevas - sempre foram metáforas de coisas opostas, tais como verdade e mentira, certo e errado, salvação e perdição, alegria e tristeza. Desde cedo nos acostumamos a fazer essas associações. A própria sucessão milenar de dias e noites incorporou em nós essa dicotomia.

A Bíblia diz em um dos diversos versículos que citam dois estados da alma humana, que o povo de propriedade exclusiva de Deus é chamado a sair “das trevas para Sua maravilhosa luz” I Ped.2:9.

Deus é dito por Tiago como sendo o “Pai das luzes”, em quem não há mudanças ou “sombra de variação” Tiago 1:17. Vejam aqui claramente exposta a mencionada oposição entre luz e sombras.

A Bíblia, em outra citação, falando sobre jugo desigual, questiona “que comunhão há entre a luz e as trevas?” II Cor. 6:14.

Jesus comentou várias vezes sobre essa desigualdade entre luz e trevas. Vejamos pelos menos dois desses versículos:

“Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” João 8:12.

“Eu sou a luz que vim ao mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas.” João 12:46.

Nessa minha reflexão quero fazer uma aplicação diferente. Quero dizer que não se vive sem sombras. Nem no mundo físico nem nos assuntos da alma. As sombras são um resultado natural da exposição à luz, à claridade. É a luz do sol que as sombras faz nascer - já dizia um antigo hino cristão. Só vê as sombras quem está na luz. Sem luz não há sombras, ou, melhor dizendo, tudo é constituído de sombras.

A inferência que se faz é que não vivemos sem dúvidas, sem tristezas, sem medos, sem inseguranças, sem dor. Essas coisas são inerentes à condição humana, fazem parte da aventura humana, seja você uma pessoa com mente espiritual ou não. O próprio Evangelho não é um chamado à euforia, a uma alegria linear e sem fim, a uma existência triunfalista, a um mar de rosas. Não nessa vida. Mas, é um chamado, sim, para carregar uma cruz e seguir a Jesus. O Mestre sabia do que falava.

Toda alegria e contentamento que possa existir para algumas pessoas ainda nessa vida, tem sempre prazo de validade. Não há como negar ou não admitir: a grande massa da humanidade passa por essa vida de forma penosa, sofrida, miserável. Nossa natureza é caída, nosso tempo é muito curto. Nesse mundo, está garantido, teremos aflições.

Mas, na metáfora da luz & sombras podemos vislumbrar uma reflexão preciosa e confortadora – principalmente para aquele que possui fé. Se você olhar para a luz, ou se virar na direção da fonte da luz, embora elas continuem existindo e presentes, não verá as sombras. Elas estarão sempre atrás de você.

Com base nisso, confesso que não sei muito o que dizer para quem não crê. Talvez, voltar-se para as coisas positivas da vida, para as realizações, para seus projetos, focar-se naquilo em que vê sustância. Isso o fará deixar de lado tudo de menor importância e poderá fazê-lo sentir-se melhor.

Mas, se você crê, volte-se para Deus, o Pai das luzes, volte-se para Cristo Jesus, o sol da Justiça e siga-O. Olhando-O, as sombras ficam atrás de você. Voltando-Lhe as costas, você encarará diretamente as sombras.

Embora as sombras da vida, a coisa medonha continue à sua volta, você certamente não estará focado nelas. Outro velho hino me assegura também que Deus está nas sombras, portanto, você jamais estará sozinho, sem ajuda. E não esqueça que pra você também é válido o que eu disse acima pra quem não tem fé espiritual.

E pra todos nós, crédulos ou incrédulos, uma boa, saudável e luminosa atitude seria olharmos menos pra nós mesmos, para nossos próprios umbigos. Quando focamos as necessidades, sofrimento, ou seja, as sombras de quem caminha ao nosso lado, iluminamos a vida deles e consequentemente a nossa própria existência.

Autor: Mário Jorge Lima