Postado em: sexta-feira, 23 de setembro de 2011

1(10) - O Fruto do Espírito

Estamos iniciando hoje uma nova série. Serão ao todo 10 Palestras, já contando com esta, versando sobre o tão desejado e buscado Fruto do Espírito. Esta nossa primeira palestra é uma introdução aos temas que virão.

Lendo minha Bíblia, especialmente o Novo Testamento, chego à conclusão de que nenhum outro texto, como o de Paulo aos Gálatas 5:16-23, apresenta um contraste tão grande e tão definido entre o modo de vida daquele que não conhece as coisas de Deus, portanto, vive controlado pela sua natureza caída, e o daquele que busca viver de acordo com os princípios do cristianismo, assim, deixando-se controlar pelo poder do Espírito de Deus. Vamos extrair daí o texto base dessa nossa primeira conversa da série, e que são os versículos 19-23:

“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia [sensualidade], idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias [brigas], emulações [ressentimento, inveja], iras, pelejas, dissensões [divisões], heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade [paciência], benignidade [delicadeza], bondade, fé [fidelidade], mansidão [humildade], temperança [equilíbrio, domínio próprio]. Contra essas coisas não há lei.”

Não vamos nos deter aqui em destacar as chamadas obras da carne, ou seja, a parte negativa, odiosa e indesejável dessa questão, mas vamos nos concentrar em discorrer sobre a parte desejável, abençoada e edificante.

Na parte positiva do texto, o que primeiramente nos chama a atenção é que, ao contrário do que costumamos pensar, não são vários os frutos do Espírito, na realidade, é apenas um único fruto, mas que, poderíamos assim dizer, tem 9 gomos.

Antes de continuar falando do fruto, quero falar de algo que frequentemente confundimos com ele. O fruto do Espírito, com seus 9 gomos, difere, de certa forma, dos dons do Espírito, esses em número bem maior. Se somarmos os dons mencionados em Efésios 4, I Coríntios 12 e Romanos 12, chegaremos a um total de 20 dons do Espírito de Deus. Se somarmos outros textos do Novo Testamento encontraremos pelos menos mais outros 6 dons, portanto um total de 26 dons do Espírito.

Cada pessoa tem pelo menos um desses dons, e alguns tem mais de um. Ninguém tem todos. São presentes dados por Deus, uma capacitação sobrenatural concedida por Ele, a Seu exclusivo critério e propósito, para o desenvolvimento de Seu povo, de Sua obra em prol da salvação.

Preste atenção no que eu vou dizer: o dom espiritual é algo que o Espírito Santo dá, e não tem ligação com mérito, talento ou aptidão pré-existentes. Ninguém merece o dom que tem, afinal, é uma dádiva, um presente de Deus, isso independe de nós, não é algo que podemos adquirir estudando, lendo, obtendo conhecimento, com esforço próprio. Deus tão somente escolhe uma pessoa e derrama sobre ela aquele dom especial. Ainda vamos fazer aqui uma série sobre dons do Espírito.

Então, resumindo: os dons do Espírito, com seus mais de 20 tipos básicos de manifestação, são recebidos gratuitamente da mão de Deus, por eleição, por escolha, por graça, por Seu propósito. Todo cristão tem, no mínimo, um desses dons. Já os 9 gomos do fruto do Espírito são conquistados na caminhada com Jesus, no relacionamento, no processo de santificação pelo qual passa todo cristão convertido. E precisamos ter todos, precisamos desenvolver todos, ou, melhor dito, precisamos deixar crescer todos os 9 gomos, ou o fruto estará incompleto, anormal, sem sabor. Nas próximas 9 semanas vamos conversar aqui sobre cada um desses gomos espirituais.

Numa outra definição, para compreendermos melhor a questão entre dons e fruto do Espírito, eu diria que o dom define o que o cristão fará no trabalho de desenvolvimento do povo de Deus, uma aptidão especial dada por Deus, dada por eleição e por escolha de Deus para ser usada em favor dos outros. O fruto do Espirito define o que o cristão é, são atitudes e posturas pessoais desenvolvidas no relacionamento com Deus.

Uma das figuras mais interessantes usadas pela Bíblia na questão do relacionamento, é a da árvore. Elas foram criadas por Deus, no Éden, e Ele as fez "agradáveis à vista". A árvore dá a você sombra, proteção. Dá a madeira e dá o fruto. Suas raízes, quando profundas, resistem a qualquer tempestade. E mesmo depois de cortada e abatida a árvore pode renascer. Vejam que alegoria espiritual linda essa, quase desconhecida, se encontra no livro de Jó 14:7-9:

"Porque há esperança para a árvore, pois, mesmo cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus rebentos. Se envelhecer na terra a sua raiz, e no chão morrer o seu tronco, ao cheiro das águas brotará e dará ramos como a planta nova.".

Essa é uma promessa inspiradora que Deus colocou nos lábios de Jó, em meio ao seu intenso e inexplicável sofrimento. Você sabe o que representa essa água mencionada no texto? No meu entendimento, significa o Espírito Santo de Deus. Se você, mesmo em meio ao infortúnio, em meio aos desencontros e transgressões, procurar ficar perto de Deus, e permitir que Ele atue em você, com certeza, vai renascer, e melhor ainda, brotará e dará ramos e frutos como se fosse uma planta nova.

Você está ou pelo menos, se sente longe de Deus? Tem uma existência apagada e sem vida? Acha que suas chances de vida eterna passaram e a fé está como que escorrendo por entre seus dedos? Não se afaste das águas. Leia novamente o texto de Jó. Você vai reviver.

Fruto, necessariamente exige um processo anterior que é o plantio e a germinação de uma semente. O próprio Cristo ensinou que a semente, caindo na terra, passa por um processo semelhante à morte. Ele disse assim em Mateus 12:24:

"Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto.".

Portanto, todo aquele que quer desenvolver o fruto do Espírito de Deus em sua vida precisa morrer para a presente vida e renascer para viver vida nova e abundante em Cristo Jesus. E a partir dai, somente a partir dai, poderá ele dar muito fruto. Estará necessariamente ligado à videira verdadeira que é Cristo Jesus, e a seiva do Evangelho puro produzirá nele um belo resultado.

E Paulo disse ainda de forma contundente: "Contra essas coisas não há lei." Sabe o que isso significa? Significa que quando sua vida é dirigida pelo Espírito de Deus, e você naturalmente produz aqueles gomos citados, ninguém pode julgar você, e melhor ainda, ninguém pode condenar você. É a própria Bíblia que diz lá em Romanos 8:1: "Agora, pois, nenhuma condenação há para quem está em Cristo Jesus.".

Medite sobre isso, busque pelo relacionamento, pela leitura da Bíblia, pela oração, pelo serviço de amor incondicional, desenvolver esse fruto maravilhoso em sua vida. Temos todos tido muitas provações. Temos todos enfrentado situações angustiantes e penosas, na nossa família, no trabalho, na escola, nos nossos relacionamentos, nas ruas, em todo lugar. Esse é o ambiente propício para o fruto do Espírito de Deus se desenvolver. É nessa situação de crise que o poder de Deus se aperfeiçoa em nós. O que eu desejo é que você se torne uma bela e frondosa árvore espiritual, forte, rija, com raízes profundas em Cristo Jesus, e cheinha de frutos.

Autor: Mário Jorge Lima

0 comentários:

Postar um comentário

Esse Blog não se prestará a polêmicas doutrinárias, é apenas devocional. Você não precisa concordar comigo e pode dar sua opinião livremente, se não for agressiva nem fugir aos princípios de convivência cristã, será publicada.